Tuesday, May 20, 2008

Final da Liga dos Campeões: Mourinho continuará ou não a ser o "Special One"?

A Liga dos Campeões tem inúmeros atractivos. É sem dúvida a competição mais apetecível para todos os que têm aspirações a uma conquista gloriosa que deixe o seu nome na história. Pelo lado dos clubes, o prestígio vem acompanhado, em proporção directa, pelo significativo encaixe financeiro, o qual nunca é de todo de desprezar (uma vez que se traduz em maiores receitas directas e indirectas, seja através das bilheteiras com maior afluência no ano seguinte, o aumento das vendas de camisolas com os heróis da final, a possibilidade de contratar estrelas mais cintilantes ou até de conseguir contratos mais vantajosos com os patrocinadores). Por tudo isto, a final da Liga dos Campeões é sempre a quimera que todos pretendem alcançar, especialmente porque a Taça UEFA ficou absolutamente vazia de sentido a partir do momento em que os segundos, terceiros e quartos classificados de muitos países passaram a ter acesso directo ou muito facilitado.

Só assim se explica que esta final vá ser disputada por duas equipas inglesas, uma das quais não venceu o campeonato da época passada, mas isso já pouco importa para este texto. Na minha opinião, parece-me que esta final se divide, mais do que nunca, em várias facções opostas entre si. É certo e sabido que este tipo de jogos atrai muita gente que, regra geral, até nem coloca o futebol na sua lista de prioridades, mas esta partida é diferente.

1) De um lado vão estar todos aqueles que esperam que Cristiano Ronaldo confirme finalmente em plena Liga dos Campeões as diabruras que faz a adversários mais "tenros" e marque um golo à única equipa a quem ainda não o fez. Essas serão as pessoas que, em meados de Junho, estarão a torcer para que nada aconteça ao rapaz-maravilha para que o Europeu possa correr bem a Portugal. No outro lado da barricada, estarão todos aqueles que, apesar dos mais de 60 golos marcados nas duas últimas épocas, ainda acham que Ronaldo é um "bem" algo inflacionado. Por seu turno, estes estarão à espera que Ronaldo falhe rotundamente em mais um momento das grandes decisões para poderem repudiar convenientemente Scolari e o seu séquito.

2) Uma outra batalha prende-se com a eterna questão do futebol espectáculo. O Manchester chegou ao final do campeonato com uma diferença de 19 golos para o Chelsea, o que permite retirar a conclusão lógica que, com o Manchester em campo, há golos pela certa (ainda que nem sempre para o lado que o clube deseja). Ou seja, vai haver quem queira que se faça justiça à equipa que joga sempre para ganhar (e golear, se possível) e haverá quem torça pela antiga equipa de Mourinho, sempre mais "resultadista" - como se diz hoje em dia.

3) Mourinho será sem sombra de dúvida uma das questões centrais deste jogo. Há neste momento meio mundo (essa metade é em grande parte constituída por cidadãos britânicos) ansioso por dizer de sua justiça, caso o Chelsea vença a prova. Se, neste momento, já se ouvem ecos de que foi preciso Mourinho sair para o Chelsea chegar à final da Liga dos Campeões (e para começar a perder finais, já agora), ainda que nas mãos de um treinador sem o grau máximo atribuído pela UEFA, imaginemos o que acontecerá se o Chelsea se sagrar vencedor. Vão chover os habituais chavões de que o dinheiro não é tudo, de que o "português" não passa de um truque publicitário e de que, antes de tratar da imagem, é preciso saber o que se faz como treinador. A outra metade do mundo vai estar certamente a torcer pelo treinador luso, o qual, após sair do FC Porto, passou a estrela nacional, apesar de tanto ter sido criticado enquanto andava por terras nacionais. São essas pessoas que vão torcer, de forma mais ou menos fervorosa, para que o Chelsea perca e Abramovich perceba a frase do mister português quando chegou a Stamford Bridge: "Mr. Abramovich, não precisa de nenhuma estrela para ser campeão. A única estrela sou eu."

Independentemente de todas estas questões, o jogo de amanhã tem tudo para ser um jogo de futebol fantástico, ainda que isso não signifique necessariamente que se trate de um jogo muito vistoso. Ambas as equipas já se conhecem demasiado bem para haver grandes surpresas (ainda que Alex Ferguson padeça de alguma "trenadorite" e tenha uma certa tendência a inovar quando menos se espera) e ambas estarão suficientemente preocupadas em não entregar o ouro ao bandido.

O Chelsea vai provavelmente apostar numa toada de contenção, não só porque é considerado o "patinho feio" da final, mas também porque terá constantemente a preocupação de rodear Ronaldo de homens suficientes que o impeçam tanto de deambular pelo campo como de se virar e ganhar embalo. Além do mais, com homens como Ballack, Lampard, Terry e Drogba, o Chelsea não é famoso pelas suas transições rápidas, mas antes por saber quando desferir o golpe fatal. Não obstante, não tem a mesma estrutura mental que tinha anteriormente e os jogadores parecem efectivamente muito cansados, muito provavelmente pela falta de descanso para tentar chegar ao título no sprint final.

Pelo seu lado, o Manchester já demonstrou estar com "fome de bola". Cristiano Ronaldo vai estar desejoso de provar ao mundo que é o melhor jogador da actualidade e Ferguson não se quer ver a perder. É quanto a mim indiscutível que o Machester ganhou finalmente estatuto de equipa europeia (descolando finalmente do lote do Arsenal, por exemplo, enquanto equipa que promete, mas que não sabe a diferença entre futebol espectáculo e vencer títulos) e que defende bastante melhor hoje do que fazia há um ano atrás, por exemplo. Seja como for, a equipa de Manchester revela sempre algumas dificuldades quando o adversário ataca de forma contínua, mostrando-se frequentemente desorganizada, ao contrário do Chelsea, que, graças aos vários anos com Mourinho, sabe sofrer encostada às cordas e apontar Drogba à baliza adversária em seguida. Foi exactamente o que se viu na meia-final contra o Liverpool.

Para terminar, gostaria apenas de agradecer a vossa participação na mini-sondagem para a final de amanhã e esperar que o jogo seja tão bom como todos esperam. Pela minha parte, posso garantir que estarei colado ao televisor durante pelo menos 90 minutos, ansioso por ver quem cede primeiro.

1 comment:

Fialhito said...

Antes de mais, admiro a tua capacidade de análise, ou não fosses um mestre de leitura de jogo quando jogas futebol comigo.

De facto a Liga dos Campeões é a Liga dos Campeões, é o ponto alto. O facto de jogarem duas equipas inglesas, não demonstra a qualidade do campeonato, que eu acho que se resume a 4 equipas milionárias e outras 4 ou 5 com um futebol razoável mas que não são superiores a um Braga, Belenenses, Sporting, etc., como já ficou provado nestas últimas épocas de confrontos directos, mas sim que o dinheiro bem aplicado pode fazer milagres.
1) Eu sou dos que discordo do Ronaldo como o Melhor do Mundo. Basicamente porque lhe falta o que abunda ao Messi, ao Káká, ao Lucho, ao Deco, ao Rui Costa, ao Figo, ao Fabregas, ao Pirlo, ao Gerrard, ao Lampard, enfim... estava aqui mais uns minutos... classe. Falta-lhe classe. E a classe é um dom que ou se tem ou se adquire com muito trabalho e humildade. Ora, humildade é uma palavra que não entra no dicionário do Cris. Ronaldo brilha em Inglaterra porque os defesas ingleses quando vêm um tipo com um reportório de fintas fora do vulgar ficam parados a olhar para eles (veja-se que só em Inglaterra é que Okocha era estrela, porque em Portugal, no José Mota FC passava a tarde a calçar as chuteiras dos colegas que iam treinar). Alguém viu o Cris brilhar contra uma equipa com um orçamento acima do Contentor de papaias da Papua Nova Guiné? Eu não, pelo contrário, os duelos que vi com Kaká, Messi, e outros mostraram-me que lhe falta muito para ser igual a eles.
2) Discordo, o manchester passou 180 minutos a olhar para a bola contra o Barcelona e aquele seu futebol delicioso, até que Scholes apanhou uma bola abençoada e fez aquilo que melhor sabe. Vão ser duas equipas cautelosas, que só se empolgarão com o decorrer do jogo, e apostando no erro do adversário. Pena o Zenit não estar nesta final. Aquilo sim, é uma máquina trituradora.
3) Concordo com a análise pró-espírito-de-Mourinho-no-seio-da-equipa. Aliás, por uma questão de coerência, se eu disse sempre que a Selecção do Euro2004 e Mundial2006, era a selecção do Mourinho, para mim, amanhã, ainda será o Chelsea do Mourinho.

PS: Apesar de descascar no Jovem dos fantásticos abdominais (daqui para a frente designado pelo Abdominável Homem das Neves) acho que o título de jogador que mais se destacou e mais apareceu nos jornais mundiais será bem entregue se vier para Portugal. Posso não sofrer do Tuguismo (palavra que uso para designar o povo português que diz amén ao que a Comunicação Social dita porque são imparciais e dogmáticos, característica usual no emigrante que vem para os supermercados portugueses falar em francês, ou se ainda preferirem... aqueles que podem não perceber nada de futebol mas se a revista "Maria" ou o "Avante Desportivo" o dizem...) mas fico contente se o Melhor do Mundo for nosso. Venha ele!!

Abraços!